Jantar ou Jantada

Motoboy Grátis RJ - acima de R$250:Zona Sul, Grande Tijuca, Grande Méier, Barra da Tijuca, Recreio, Jacarepagua

Jantar ou Jantada

Jantar ou Jantada

Contos Eróticos

Jantar ou Jantada

“Amiga, quer vir jantar hoje aqui em casa? O Pedro vai fazer massa” recebi esta mensagem de Gabriela ao meio do dia. Respondi confirmando o convite prontamente, o Pedro era o namorado da Gabi, formado em gastronomia, ou seja, se eles me convidassem para comer, não teria quem me fazer recusar. Era praticamente aceito o convite desde o momento que ele foi proposto.

Eu e Gabi fizemos moda juntas, não éramos tão próximas durante a faculdade, nossa amizade só desenvolveu depois que começamos a trabalhar juntas para uma revista virtual. Ela e Pedro começaram a namorar pouco depois que ela entrou na revista. Aparentemente eles tinham se conhecido em uma viagem para Jeri de fim de ano e nunca mais se desgrudaram. Era realmente um casal incrível, tinham um extremo magnetismo.

Dormi um pouco naquela tarde preguiçosa de domingo e depois fui direto para a casa de Pedro. Estava um friozinho gostoso, digno de uma massa com vinho e boas conversas. Quando cheguei fui recebida com beijos e abraços como sempre, mas eu senti uma energia diferente, não sabia dizer exatamente o que, eles pareciam mais carinhosos, mas pode ser que seja somente uma impressão.

A mesa já estava posta, eu e Gabi começamos no vinho enquanto Pedro finalizava o jantar. O mesmo foi servido e estava maravilhoso, era tortellini recheado com queijo de cabra e nozes, com molho de lagosta reduzido no champanhe. Simplesmente divino, um dos melhores pratos que ja tive o prazer de experimenter.

Depois de jantar jantar fomos para o sofá conversar. Já estávamos um pouco bêbadas de vinho. Eu estava sentada no meio e a Gabi veio sentar ao meu lado, ela começou a acariciar minha perna e olhou nos meus olhos. Eu comecei a sentir um tensão, como se meu corpo estivesse lentamente pegando fogo. Ela estava querendo me beijar? Era isso mesmo? Eu não estava entendendo mais nada.

Pedro se juntou a nós e sentou ao meu lado também. Ele e Gabi se entreolharam, e eu estava ficando cada vez mais confusa. Até que ela começou a chegar cada vez mais perto da minha boca, até repousar seus lábios nos meus. A medida que o beijo foi se intensificando, senti a mão de Pedro nas minhas pernas.

Gabi começou a beijar o Pedro, depois ele me beijou. Começamos a nos despir, fomos nos ajudando até que estávamos pelados no sofá da sala de Pedro. Nos entreolhamos e soltamos uma risada.

“Meu deus, a gente vai fazer isso mesmo” falei ainda em choque com o desenrolar da noite. “Vamos. Você quer? Nós queremos!” disse Gabi. “Eu quero muito” respondi mordendo o lábio e chegando mais perto dela.

Ela me deitou no sofá, me beijando. Pedro nos observava. Pude notar que ele já estava ereto. Ele de ajoelhou na beira do sofá, passando a mão por nossas pernas e subiu dando beijinhos pelas minhas coxas até chegar na minha buceta. Me lambia lentamente, se concentrando no meu clítoris.

Gabi pegou uma de minhas mãos e deslizou para a buceta dela. Estava toda meladinha do jeito que eu esperava. Passei a mão por ela e a dedei.

“Vem, senta na minha cara. Quero sentir seu gosto” Falei para Gabi, e ela o fez. Antes de enfiar minha língua em sua buceta eu a admirei, aquelas portinhas ao paraíso. Só conseguia pensar o quanto eu amo gostar de mulheres. Fui passando minha língua de vagar, enquanto ela rebolava na minha cara.

Pedro parou de me chupar e ficou admirando nossa cena, contemplava nosso tensão. Ele segurou seu pau e começou a se masturbar nos observando. Não demorou para que Pedro começasse a meter em mim, ele metia com força e precisão. Eu acompanhei o ritmo dele em linguados e dedadas em Gabi. Ela já estava se contorcendo toda em cima de mim.

Ela saiu e deitou para o lado, Pedro a acompanhou, e começou a meter nela. Ela me puxa para que eu subisse nela. Comecei a me esfregar no capô de sua buceta enquanto a beijava. E Pedro alternava, nos fudendo.

Todos gozaram, cada um no seu momento, do seu jeito. Foi um delicia. Nossa sincronia, tudo. Cada um caiu para um lado, e ficamos lá, tentando absorver o que tinha acabado de acontecer. Eu tinha mesmo transado com uma das minhas melhores amigas e com o namorado dela? Eu ainda não podia acreditar.

Pedro levantou para ir na cozinha buscar água para a gente. Ao beber a água que ele trouxe Gabi diz “semana que vêm vamos fazer lasanha... quer vir?”

Concordei com a cabeça e um sorriso largo e deitei nos peitos dela. A partir daquele dia, meus domingos ficaram muito mais divertidos.

Escrito por Valentine Squadroni

Deixe um comentário