Coincidências com Henrique

Motoboy Grátis RJ - acima de R$200: Zona Sul, Grande Tijuca, Grande Méier, Barra da Tijuca, Recreio, Jacarepagua

Coincidências com Henrique

Coincidências com Henrique

Contos Eróticos

Coincidências com Henrique

Certa vez eu estava numa festa e peguei o Henrique. A festa estava boa, ele foi super gente boa comigo. Encaixamos perfeitamente. Tivemos uma sintonia como poucas vezes se encontra em uma noite. Ele tinha um rosto fino, uma barba por fazer bonita, mas não muito grande. Seus cabelos eram pretos e meio enrolados. Mas não lembro bem o que aconteceu que não conseguimos ir embora juntos.

Mas as coisas não acabaram por aí. No dia seguinte, a sintonia continuou. Ele me mandou mensagem logo cedo, e passamos o domingo conversando. Então deixamos marcado de sair no sábado seguinte. Por mim, teríamos nos encontrado durante a semana, mas ele passaria a semana em São Paulo e só voltaria sábado à noite. 

Passamos a semana trocando diversas mensagens, chegamos a fazer facetime para nos falarmos melhor. E claro que trocamos muitas falas picantes, provocações e até fotos sensuais. Mas o que parecia um conto, começou a dar errado. Na quinta, Henrique me mandou uma mensagem.

- Cara, você não vai acreditar. Mas sábado é aniversário de um amigão meu que eu tinha esquecido. Vai ser um churrasco e não tem muita hora para acabar porque vai começar umas 15h, 16h.

Pronto. Será que era mais um boyzinho dando pra trás? Mas acreditei. Disse que estava tudo bem e que quando ele pudesse me avisar. Na sexta, a conversa deu uma morrida. O clima não ficou tão bom. Mas no sábado nos falamos um pouco antes de ele ir para o churrasco.

Para não ficar em casa, fui para o bar com minhas amigas.

Depois de uns dois drinks, comecei a pensar nele. No meio do terceiro, fui ao banheiro e vi como eu estava gostosa com aquele vestido. Era de alça, largo no meu corpo, mas que ressaltava minhas curvas e deixava meus peitos bem destacados. Não perdi a oportunidade e mandei uma foto provocante no espelho: “Olha o que você perdeu”.

Cerca de uma hora depois ele respondeu.

- Perdi? Nunca mais vou tê-la?

Só depende de você – respondi.

Ele me mandou uma selfie com um copo de cerveja e várias pessoas ao fundo para mostrar que o churrasco ainda estava cheio.

Deixei pra lá por um tempo. Mas conforme a bebida entrava, meu pensamento voltava nele. O fogo estava subindo e resolvi provocá-lo novamente. Mandei uma da minha calcinha por baixo da mesa sem nada escrito.

Dessa vez, não demorou dez minutos para aparecer uma resposta. Boom! Uma foto do pau dele duríssimo no banheiro.

- Você me deixa louco assim. 

- Acho que ela está com fome, pois não para de salivar – enviei com uma foto da minha buceta molhadinha.

- Quando for para casa avisa, eu vou quando quiser – disse ele mandando um vídeo dele mexendo no pau muito duro.

- Eu vou daqui a pouco, as meninas já estão morrendo aqui – avisei quando eram umas 22h30. 

Não demorou muito para que pedíssemos a conta. Eram 23h15.

- Estou indo pra casa. Durmo ou vai pra lá? – perguntei.

O churrasco dele era um pouco longe da minha casa, uns 25 minutos de distância.

- Já estou indo – disse ele imediatamente.

Uns cinco minutos depois pintou a foto dele no Uber.

Cheguei em casa, tomei um banho, bebi um pouco d’água e botei uma taça de vinho pra mim. Já estava altinha. Mas um vinho enquanto esperava me faria bem.

De repente, surgiu mais uma mensagem dele. Uma foto do pau dele dentro do Uber.

- Já estou tirando a roupa. Estou louco para te devorar.

Aquilo me deixou com muito tesão. Mandei uma foto de joelhos na cama de lado para o espelho bem sexy, mostrando apenas minha lingerie e com o cabelo cobrindo meus seios.

- Nossa! Que delícia você – respondeu ele. 

Aos poucos, comecei a passar a mão pelo meu corpo com um pouco de vinho, deixando-o um melado. As carícias viraram toques de tesão e eu não estava me aguentando de vontade de sentir logo o pau do Henrique.

Quando comecei a passar a mão de forma um pouco mais intensa na minha buceta, que estava muito molhada e melada, o interfone tocou. Autorizei que subisse e deixei a porta entreaberta.

Henrique empurrou a porta devagarinho quando chegou, espiando primeiramente com a cabeça. Quando me achou com o olhar, eu estava deitada no sofá, passando o dedo na taça de vinho e levando pelo meu corpo para depois chupar meu dedo, meu sexy.

Ele sorriu com uma cara de felicidade e tesão que não consigo descrever. Henrique nem fechou a porta e veio com tudo pra cima de mim. Só deu tempo de eu botar a taça no chão ao lado do sofá antes de ele cair em cima de mim e me beijar toda. Chegou com beijo gostoso e intenso na minha boca, com uma pegada firme na minha cintura. Logo tirei a camisa dele e passei a mão pelo seu corpo.

Ele passava a boca pela minha, pelo pescoço, orelha e explorava meus peitos e cintura com as mãos. Eu já revirava a cabeça enquanto passava a mão em sua cabeça e buscava seu pau.

Henrique colou seu corpo completamente em mim e pude sentir o pau dele duríssimo esfregando na minha buceta. Ele me devorava com a boca. Não parava. Eram beijos e mãos para todo lado. Parecia que tinha mais de uma boca e quatro mãos. Ele era intenso e firme nos seus atos e me elogiava sussurrando em meu ouvido. O jeito que olhava meus peitos me deixava ainda mais excitada. Ainda mais quando chupava firme terminando com uma mordiscada firme me olhando nos olhos.

Logo deslizou sua boca pelo meu corpo até minha buceta, quando tirou rapidamente minha calcinha e caiu de boca. Ele se lambuzou nela. As linguadas eram certeiras. As chupadas eram na intensidade e momentos certos. Eu me revirava no sofá, era impossível me conter de tanto tesão. Meus gemidos ficavam cada vez mais altos. E ele acompanhava o ritmo que eu indicava.

Eu estava explodindo de tesão e precisava que ele me comesse logo. O puxei para cima pelo cabelo.

- Me come. Me come, porra. Quero te dar. Tira essa calça e me come – disse louca pela piroca do Henrique.

Ele rapidamente tirou a calça, que até ficou presa em seus pés e ele enrolou para tirá-la. O pau dele saltou para fora apontando pro céu. Me sentei rapidamente para chupá-lo. Peguei ele pela bunda e mamei aquela pica. Chupei rápida e intensamente por alguns minutos e o via gemer ofegante me apreciando com o olhar. 

Deitei novamente, e ele veio por cima. Abriu bem minhas pernas no sofá e meteu firme em mim. Começou já num ritmo forte e rápido. Meus peitos balançavam e eu os segurava enquanto ele apertava com pressão minhas pernas. Henrique me olhava nos olhos com cara de safado e eu o provocava com as palavras. 

- Me fode. Mete essa pica gostosa em mim – eu gemia.

Muitas vezes ele mal respondia. Sua respiração era intensa e ofegante. Seu pau era quente, duro e entrava com tudo em mim. Ele me comeu muito no papai e mamãe até eu ficar prestes a gozar.

Pedi para ficar por cima. 

Ele sentou-se no sofá cansado. E eu montei por cima. Botei meus peitos na cara dele e ele os devorou. Chupava, lambia, apertava, mordia. Tudo. Eu rebolava lentinho no pau dele o vendo se acabar nos meus seios. Comecei a aumentar a velocidade com que deslizava em seu pau e gemer mais forte.

- Isso. R

ebola no meu pau, safada. Estava louco por isso – disse ele gemendo.

- Ah é? Está gostoso? – provoquei.

- Demais!

Comecei a sentar mais rápido. Virei a cabeça pra cima e quiquei forte. Estava quase lá. Suas mãos em minha bunda me ajudavam a manter o ritmo. Ele me provocava com as palavras e pedia para eu gozar para ele.

Não resisti muito. Rebolei no pau dele até que gozei muito. Minha buceta se contraiu muito e ficou completamente molhada e melada. Ele beijou carinhosamente meu pescoço e meus peitos enquanto passava a mão arranhando levemente minhas costas. Eu me contraía e me contorcia de tanto gozar.

O beijei intensamente e saí de cima dele puxando-o pela mão e levando-o para o quarto.

Subi na cama e fiquei de quatro de frente para o espelho.

- Me come de quatro e goza pra mim – pedi.

Ele veio por cima, deu uns beijos e mordidas na minha bunda, seguidos de três tapas firmes. Botou o pau dele explodindo de tesão na minha buceta e meteu forte.

Eu via suas caras e reações pelo espelho. Ele admirava minha bunda, puxava meu cabelo e me olhava no olho. Eu podia vê-lo revirar a cabeça e morder os lábios.

Eu podia sentir seu pau latejando dentro de mim. O barulho de nossos corpos era alto. Ele gemia alto e eu também.

Henrique me comeu por alguns minutos de quatro até que gozou. Tirou seu pau de dentro de mim e gozou muito na minha bunda. Pude sentir aquela porra quentinha pelas minhas nádegas e costas. Pedi para que espalhasse e ele o fez suavemente pela minha bunda. Deslizei meu corpo até deitar-me na cama de bruços. Henrique, cansado, imediatamente caiu sobre mim e me encheu de beijos carinhosos enquanto mexia no meu cabelo. 

Deixe um comentário